Bug Box

Qualidade e Testes de software

Testes de software: Objetivos

Os testes de software visam encontrar o maior número de defeitos em uma aplicação, para que os mesmos possam ser corrigidos o quanto antes contribuindo assim para um software com maior qualidade e minimizando os riscos oferecidos por tais defeitos. O intuito desta atividade é executar o software com o objetivo de fazê-lo falhar ou apresentar um resultado diferente do esperado.

Quando os testes são executados dentro do processo de desenvolvimento, pelos desenvolvedores e usuários do software, visam apenas certificar que as especificações ou regras de negócios foram implementadas,de acordo com Bastos et al (2007) . Ao tratar-se de um modelo de qualidade, esta prática torna-se insuficiente.

A atividade de testes, também visa prover informações referentes à qualidade do software que está sendo desenvolvido. Estas informações podem revelar, por exemplo, a quantidade de defeitos encontrados por características e requisitos funcionais ou não-funcionais. Portanto, os testes contribuem para a garantia da qualidade do software, pois através deles podemos medir esta qualidade em termos de defeitos encontrados.

O objetivo de um processo de testes, utilizando uma metodologia própria é minimizar os riscos e danos causados pelos defeitos provenientes do processo de desenvolvimento de um software.

Rigorosos testes em sistemas e documentações contribuem para a redução dos riscos causados pela ocorrência de um comportamento indesejado em ambiente operacional, segundo Müller et al (2007). Os testes também contribuem para a qualidade do software, quando os defeitos encontrados são tratados antes da implantação do sistema.

Ainda de acordo com Muller et al (2007), os testes devem fornecer informações que possam dar suporte à tomada de decisão dentro do projeto, para as fases subseqüentes da implementação do software ou até mesmo da sua implantação. Portanto, o sucesso de um processo de testes consiste em encontrar um defeito, e corrigi-lo o quanto antes, quando os custos de correção são menores.

REFERÊNCIAS

BASTOS, Anderson et al. Base de conhecimento em teste de software. 2ª Ed. Niterói. Martins Fontes, 2007. 263p.

MÜLLER, Thomas et al. Base de conhecimento para Certificação em Teste: Foundation Level Syllabus. Comissão Internacional para Qualificação de Teste de Software, 2007. 77p.

 

COMMENTS

Não há comentários postados ainda. Seja o primeiro!

Deixe um comentário!


5 + = dez