Bug Box

Qualidade e Testes de software

Usando o Redmine + Impasse para Garantia da Qualidade

 

O propósito do processo Garantia da Qualidade é assegurar que os produtos de trabalho e a execução dos processos estão em conformidade com os planos e recursos predefinidos.

SOFTEX, 2001, p37.

 

Neste contexto, identifica-se a necessidade de ferramental para o controle deste processo. Pensemos então, no seguinte cenário: a realização da gestão de testes, defeitos, projeto (tarefas), cronogramas, base de conhecimento, além do nosso tema principal QA em uma só ferramenta!

Este Post nasceu de uma necessidade de realizar este controle integrado, e também, com base em uma proposta do Camilo Ribeiro no post Usando TestLink para Garantia de Qualidade.

 

3º Simpósio de Gestão, Tecnologia e Inovação.

A UNA – Campus Barreiro realizou neste dia 03/10/2012, o 3º Simpósio de Gestão, Tecnologia e Inovação. Nela, ministrei a palestra “Introdução ao teste de software”. Segue o material utilizado:

Pessoalmente, gostei muito do evento! Foi muito bem organizado, e os alunos demonstraram interesse pelos temas abordados.

Obrigada a todos que participaram!

Testes exploratórios – Parte 2

.

Finalmente, o segundo post sobre Testes exploratórios….

Neste serão tratadas estratégias utilizadas para potencializar os seus benefícios, e realizar esta atividade de maneira mais assertiva, sendo elas: Estratégia de questionamento, Heurística, Fontes e Oráculos.

 

Integração da gestão de testes e defeitos: Redmine & Impasse

 

Este post tem o objetivo de demonstrar brevemente, como utilizar o Redmine para gestão de testes e defeitos integrado.

No entanto, pode ser questionado: “Mas o Testlink faz integração com vários tipos de bugtrackings…”, pois então, não se trata do mesmo tipo…

 

Simulado Online: CTFL – BSTQB 5

Testes exploratórios – Parte 1

Ao pesquisar por “Testes exploratórios”, encontramos vária definições que de certa forma, convergem em uma só:

Teste exploratório (Exploratory testing): Técnica de modelagem de teste informal na qual o testador controla ativamente a modelagem dos testes enquanto estes são executados, e utiliza a informação obtida durante o teste para modelar testes novos e melhorados.

(VEENENDAAL, Erik et al. p.66)

Portanto, quando executamos testes exploratórios, estamos criando e executando ao mesmo tempo um teste. Todos que já estiveram no papel de testador, mesmo que inconscientemente, realizou testes exploratórios em algum momento! Geralmente é realizado de maneira tácita ou informal, e de acordo com James Back “poucas pessoas estudam essa abordagem e ela não é muito respeitada na nossa área. Já está na hora de revertermos isso e reconhecermos publicamente a abordagem exploratória pelo o que ela é: pensamento científico em tempo real.”

 

Teste de software baseado em Riscos (Risk-based Testing – RBT)

Apesar dos grandes benefícios proporcionados por uma estrutura de testes consolidada, o processo de testes tem um custo elevado. Da quantidade de testes possíveis de serem executados aliados às restrições de prazos e custos de um projeto, surge a necessidade de se buscar técnicas que possam reduzir tais custos, além de reduzir ao máximo os riscos de perdas para o negócio.

A técnica de testes baseada em riscos surgiu com a necessidade de amenizar os problemas relacionados ao esforço necessário para se testar um software, e tem como objetivo investir o menor esforço possível em testes, e fazendo com que tais testes tenham mais eficácia e eficiência.

Simulado Online: CTFL – BSTQB 4 – Resolução das questões 7 e 16

A pedido de uma leitora, estou postando a resolução das questões 7 e 16 do Simulado Online: CTFL – BSTQB 4!

Questão 7

De acordo dom o Syllabus, limites são áreas onde testes estão mais propensos a indicar defeitos. Os valores limites de uma partição são seu máximo e seu mínimo.

O enunciado da questão diz:

Na modelagem de um sistema que trabalha com impostos a serem pagos: Um empregado recebe R$4.000 de salário livre de impostos. Os próximos R$1.500 são tributados em 10%.E os próximos R$28.000 são tributados em 22%. Qualquer outro valor é tributado em 40%. Para o mais próximo valor inteiro, qual dos valores apresentados mostra um caso de teste usando a análise de valor limite?

Analisando o enunciado, temos:

R$ 4.000 – Sem imposto

Os próximos 1.500 (4.000 + 1.500):
R$ 5.500 – Tributado em 10%

Os próximos 28.000 (5.500 + 28.000):
33500 – Tributado em 22%

Acima de 33.500 – Tributado em 40%.

Identificados estes valores, chegamos aos seguintes limites:

4.000 - 5.500
5.501 - 33.500
33.501

Neste caso, conforme a pergunta: Para o mais próximo valor inteiro, qual dos valores apresentados mostra um caso de teste usando a análise de valor limite?
A resposta correta é letra C: 33.501

A resposta que estava como correta anteriormente era a letra D, porém foi um equívoco e o mesmo já foi corrigido!

Questão 16

 

De acordo como Syllabus, na técnica de partição de equivalência as entradas do software ou sistema são divididas em grupos que tenham um comportamento similar, podendo ser tratados da mesma forma.

O enunciado da questão diz:

Na modelagem de um sistema que trabalha com impostos a serem pagos:Um empregado recebe R$4.000 de salário livre de impostos. Os próximos R$1.500 são tributados em 10%. E os próximos R$28.000 são tributados em 22%. Qualquer outro valor é tributado em 40%. Para o mais próximo valor inteiro, qual desses grupos de números cai na mesma classe de equivalência?

Utilizando a mesma análise da outra questão, temos as seguintes partições de equivalência:

Partição 1: de 4.000 a 5.500
Partição 2: de 5.501 a 33.500
Partição 3: a partir de 33.501

Portanto, a resposta correta é a letra D:  R$5.800; R$28.000; R$32.000.
Isso pois todos os valores apresentados nesta alternativa pertencem à partição de equivalência 2, ou seja, estão entre 5.501 e 33.500!

Simulado Online: CTFL – BSTQB 4

Custo dos testes de Software x Custo do Defeito de Software

Com o intuito de demonstrar a relação entre os custos e benefícios no âmbito financeiro dos testes de software, foi utilizado com referência o artigo Investing in Software Testing: The Cost of Software Quality (Investir em Teste de Software: O Custo da Qualidade de Software), publicado por Rex Black em 2000.

A evolução dos custos dos testes de software, durante o processo de desenvolvimento foi definida de forma mais detalhada por Black (2000). Em seu artigo, ele propõe uma comparação entre o custo da qualidade de um software, em três situações diferentes:

• Quando não são realizados testes formais: Neste caso, os testes são feitos apenas testes pelos desenvolvedores no momento da codificação.

• Quando são realizados testes formais, mas de forma manual: Estes testes se referem aqueles que são realizados por profissionais capacitados, utilizando técnicas e processos bem definidos.

• Quando são realizados testes formais, porém de forma automatizada: Neste caso, além do profissional capacitado, os testes contam com ferramentas de automatização.